Por que gigantes de tecnologia agora rejeitam trabalho remoto em tempo integral

Por que gigantes de tecnologia agora rejeitam trabalho remoto em tempo integral

Por BBC

Depois do entusiasmo com o trabalho de casa, algumas empresas do Vale do Silício estão apresentando seus planos de voltar ao escritório.

A chefe de recursos humanos do Google, Fiona Cicconi, escreveu aos funcionários da empresa há alguns dias anunciando que o calendário de retorno ao escritório estava sendo adiantado.

A partir de 1º de setembro, disse ela, aqueles que quiserem trabalhar de outro país por mais de 14 dias terão que enviar um pedido formal à empresa.

Também se espera que os funcionários "vivam a uma distância que os permita se deslocar" até aos escritórios, acrescentou. Portanto, nada de coquetéis na praia com um laptop.

A mensagem era clara: pode haver mais flexibilidade do que antes, mas a maioria dos funcionários terá que ir para o escritório.

SAIBA MAIS: Dor no corpo no home office? Cadeira pode ser o problema; saiba como escolher a sua
Dor no pescoço? Altura do monitor ou laptop pode estar errada; saiba como ajustar
Essa ideia parece contrariar muito do que ouvimos dos executivos do Vale do Silício no ano passado, quando eles defenderam as virtudes do trabalho remoto.

Por exemplo, Jack Dorsey, cofundador do Twitter, ganhou as manchetes em todo o mundo em maio passado, quando disse que os funcionários da rede social poderiam a partir de então "trabalhar de casa para sempre".

Especulou-se que, após a pandemia da Covid-19, o "novo normal" para as empresas do Vale do Silício seria uma força de trabalho altamente orientada para o remoto, com apenas uma equipe mínima no escritório.

Parece cada vez mais claro que isso não vai acontecer.

Se olharmos atentamente às declarações dos chefes das empresas de tecnologia, há nuances que a imprensa deixou passar.

Por exemplo, quando Dorsey disse que os funcionários do Twitter poderiam trabalhar de casa "para sempre", ele acrescentou: "Se nossos funcionários desempenharem um papel que possam desempenhar em casa e estiverem em uma situação que os permita fazê-lo."

É um condicionador muito importante.

A rotina nos escritórios depois da pandemia: mais espaço, ventilação e uso da tecnologia
E, de fato, o Twitter esclareceu que espera que a maioria de seus funcionários passe algum tempo trabalhando em casa e algum tempo no escritório.

Quase todas as empresas de tecnologia do Vale do Silício disseram que agora estão comprometidas com o trabalho "flexível" ou "híbrido".

O problema é que esses termos podem significar quase tudo.

NO BRASIL: Home office foi adotado por metade das classes A e B
Tábua de passar vira escrivaninha no home office
Sexta-feira de folga? Ou uma relação de trabalho completamente diferente com um escritório físico?

A Microsoft prevê que "trabalhar em casa parte do tempo (menos de 50%) será o padrão para a maioria dos empregos" no futuro.

Existe muita margem de manobra nas palavras "menos de 50%".

Presença no escritório permite 'colaboração'
A Amazon também comunicou a seus funcionários: "Nosso plano é retornar a uma cultura centrada no escritório como padrão. Acreditamos que isso nos permite inventar, colaborar e aprender juntos de forma mais eficaz."

Não é exatamente um endosso retumbante à nova era do trabalho em casa.

Parte da questão é que, embora muitos funcionários desejem mais flexibilidade, ainda não está totalmente claro que tipo de modelo funciona para as empresas.
"Nenhum de nós foi capaz de descobrir", disse Carolyn Everson, vice-presidente global de vendas do Facebook, discutindo os acordos atuais de trabalho em casa.

"Estamos inventando à medida que avançamos."

O apelo do trabalho remoto
Prithwiraj Choudhury, professor da Harvard Business School e defensor do trabalho remoto, diz que as empresas de tecnologia estão há muito tempo na vanguarda desse modelo.

"Os pioneiros e as empresas que estão seguindo esse modelo de trabalho remoto e construindo a organização em torno dele terão uma grande vantagem na atração de talentos", diz ele.

Essa é certamente a esperança.

Nenhuma empresa de tecnologia deseja perder funcionários capazes para rivais que lhes permitem trabalhar com mais flexibilidade.

Empresas como o Spotify agora estão oferecendo práticas de trabalho mais "flexíveis" para seus funcionários.

"Nossos funcionários poderão trabalhar em tempo integral em casa, no escritório ou combinar os dois", disse a empresa em um comunicado recente.

"A combinação exata dos modos de trabalho em casa e no escritório. É uma decisão que cada funcionário e seu gerente tomam juntos."

Mas ele também acrescentou: "Provavelmente haverá alguns ajustes a serem feitos ao longo do caminho."

Portanto, a definição de trabalho flexível do Spotify é muito diferente da do Google, que por sua vez é muito diferente da Amazon.

Trabalhar em casa quando não há escritório aberto é uma coisa. Mas o trabalho remoto será realmente posto à prova quando os escritórios começarem a abrir com, digamos, 50% da capacidade.

Quando as reuniões forem realizadas parcialmente pessoalmente e parcialmente pelo Zoom, a dinâmica funcionará também?

E quando alguns membros da equipe lidarem com os gerentes cara a cara, os trabalhadores remotos se sentirão em desvantagem?

'Construir cultura'
Há algumas semanas, a IBM anunciou sua proposta de sistema de trabalho remoto, com 80% da força de trabalho trabalhando pelo menos três dias por semana no escritório.

"Quando as pessoas trabalham remotamente, fico preocupado com a trajetória de suas carreiras", disse o CEO da IBM, Arvind Krishna.

"Se eles querem se tornar gerentes, se eles querem ter mais e mais responsabilidades ou se eles querem construir uma cultura dentro de suas equipes, como faremos isso remotamente?"

Curiosamente, estamos prestes a descobrir o que funciona e o que não funciona, porque as empresas de tecnologia estão adotando muitas abordagens diferentes.

E como em grande parte da vida moderna, outras empresas estão olhando para a costa oeste dos Estados Unidos para ver esses resultados e, eventualmente, reproduzir.

Materia na íntegra


Imprimir